Loading
English French German Spain Italian

OS ESCOLHIDOS DE DEUS

Efésios 1:3-4
(WILLIAM BARCLAY)

Em grego a longa passagem que vai do versículo 3 ao 14 é uma só oração. É tão longa e tão complicada porque representa nem tanto o enunciado de um raciocínio como um lírico canto de louvor. A mente de Paulo avança, não porque esteja pensando logicamente, mas sim porque os dons e as maravilhas de Deus desfilam perante seus olhos e penetram em sua mente. Para entender o pensamento de Paulo devemos esmiuçar sua frase em sentenças curtas.
Nesta passagem Paulo pensa nos cristãos como o povo escolhido de Deus, e sua mente se encaminha em três direções.
(1) Pensa no ato da eleição de Deus. Jamais creu, ele próprio, ter escolhido o serviço e a obra de Deus; sempre pensou que Deus o tinha escolhido. Jesus havia dito a seus discípulos: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós” (João 15:16). Para Paulo todo vem de Deus Aqui está precisamente o maravilhoso. Não seria nada extraordinário que o homem escolhesse a Deus; o maravilhoso é que Deus tenha escolhido ao homem.

(2) Paulo pensa na generosidade da eleição divina. Deus nos escolheu para nos abençoar com bênçãos que só se encontram nos céus. Há certas coisas que o homem pode encontrar ou descobrir por si mesmo; mas há outras que superam suas possibilidades. O homem pode chegar por si mesmo a certa habilidade num oficio ou numa ciência; pode obter certa posição no mundo; pode amassar uma determinada quantidade de bens deste mundo. Mas jamais poderá por si mesmo obter a bondade ou a paz espiritual. Deus nos escolhe para nos dar aquelas coisas que só Ele pode dar.

(3) Paulo pensa no propósito da eleição de Deus. Deus nos escolhe para que sejamos santos e sem mancha. Estas duas afirmações são de importância. O termo grego por santo é hagios que contém sempre a idéia de diferença e separação. Algo que é hagios é diferente das coisas ordinárias. Um templo é santo porque é diferente dos outros edifícios: um sacerdote é santo porque é diferente do homem comum; uma vítima é santa porque é diferente de outros animais; Deus é santo por excelência porque é diferente do homem; o dia de repouso é santo porque é diferente de outros dias. Assim, pois, Deus escolhe o cristão para que seja diferente de outros homens. Isto é o fato e o desafio que a Igreja enfrentou com tanta lentidão. Na Igreja primitiva o cristão jamais duvidava de que devia ser diferente do mundo; de fato, sabia que tinha que ser tão diferente que existia a probabilidade de que o mundo o matasse e com toda segurança o aborreceria. Mas a Igreja moderna tende a diminuir a diferença entre Igreja e mundo. Com muita freqüência temos dito às pessoas: "Enquanto vivam uma vida decente e respeitável, está perfeitamente certo que sejam membros da Igreja e sejam chamados cristãos. Não precisam ser tão diferentes de outros." A verdade é que o cristão deveria poder ser identificado no mundo. Deve-se lembrar sempre que a diferença em que Cristo insiste não é a que tira o homem fora do mundo, mas sim o homem seja diferente dentro do mundo.

Teria que ser possível a identificação do cristão na escola, no trabalho, na fábrica, no emprego, no hospital e em qualquer parte. E a
diferença está em que o cristão vive, obra e se comporta não de acordo com o imperativo de alguma lei humana, mas sim de acordo com o imperativo da lei de Cristo. O professor cristão não deve satisfazer as prescrições da autoridade educativa ou de um diretor, mas sim deve satisfazer as exigências de Cristo, e isto significará quase certamente, uma atitude completamente diferente para seus alunos. Um operário cristão não deve satisfazer as prescrições do sindicato, mas sim as de Jesus Cristo que o farão certamente um operário de um tipo muito diferente, tanto que bem pode terminar sendo expulso do sindicato. O médico cristão jamais olhará o doente como a um caso mais, mas sim sempre como uma pessoa. O empregador cristão se interessará por muito mais que o mero pagamento do salário mínimo ou a simples criação das condições mínimas de trabalho. A simples verdade é que se suficientes cristãos se tornassem hagios — diferentes, responsáveis só perante Cristo — revolucionariam a sociedade. E esta é, em realidade, em verdade a missão cristã.
A expressão sem mancha corresponde ao grego amomos. O termo é de interesse porque pertence ao vocabulário sacrificial. Segundo a Lei judia, antes que um animal pudesse ser devotado em sacrifício devia ser examinado e inspecionado; se fosse encontrado algum defeito devia ser rechaçado como inadequado para a oferenda a Deus. Só o melhor era apto para ser devotado a Deus. Esta palavra amomos concebe toda a vida e todo o homem como uma oferenda a Deus. Cada parte de nossa vida, nosso trabalho, nossos prazeres, nossos esportes, nossa vida familiar, nossas relações pessoais deve ser parte de nossa oferenda a Deus. Esta palavra não significa que o cristão deva ser respeitável; significa que deve ser perfeito. O cristão amomos é aquele que desterra toda complacência própria e toda satisfação com menos que o melhor; é um desafio para que o homem faça tão perfeita sua vida inteira que possa oferecê-la a Deus. É o fim da atitude que diz: "Sei que incorro em faltas, mas não posso mudar"; é o fim da atitude que sabe que não fazemos nosso trabalho tão bem como se poderia fazer, mas veio a conformar-se
com menos que o melhor. Significa simplesmente que a norma cristã não é menos que a perfeição, e que para o cristão nada valem os juízos de acordo com um critério humano: só pensa em dar satisfação ao escrutínio de Deus.
  • TEOLOGIA REFORMADA...
  • TEXTOS EDIFICANTES