Loading
English French German Spain Italian

LIÇÕES DE UMA TEMPESTADE

Referência textual: Marcos 6.45-52

Pano de fundo histórico: O episódio da tempestade no lago terá pouco sentido aplicativo se não o considerarmos como parte de um elemento conectivo cujo o outro lado é o evento da multiplicação dos pães. E essa não é uma propositura que pretendo levantar, ela está clara no texto. O próprio escritor canônico quis que entendêssemos os dois eventos como interligados (vers 52).
O evento da multiplicação dos pães traz uma perspectiva proposital ao incidente da tempestade, sem a qual, o mesmo não poderia ser bem entendido e muito menos corretamente explicado.
Por trás dos dois eventos existia um propósito, o qual era, a afirmação da divindade de Jesus e eventualmente o estímulo para o crescimento de seus discípulos. Aliás, os discípulos estavam com o coração endurecido, isto é , estavam lentos para compreenderem de fato quem era Jesus, e o que representava compor a missão evangelizadora com ele. A ideia do coração endurecido parece sugerir, uma perda de comunhão, de propósito.Sendo assim, era necessário colocá-los à prova, de modo a despertá-los para uma relação de confiança inabalável com o Cristo. Para salvar os discípulos de um naufrágio espiritual, eles são colocados em uma situação de naufrágio em um lago!(vers 45).Deste modo, eles tinham um situação onde podiam colocar em prática a fé.Vista a partir do que foi colocado acima, a tempestade enfrentada pelos discípulos, estava revestida de um caráter pedagógico, o qual ainda hoje pode fornecer-nos lições preciosas, as quais são:

1ª. Lição. A tempestade é uma ocasião para o crescimento-Parece ter sido essa a ideia que Jesus tinha em mente quando os compeliu a entrar no barco e cruzar o lago (vers 45). Eles precisam crescer, amadurecer. Jesus então criou a situação ideal para isso. Colocou-os diante de uma tempestade.Essa tempestade  não era mais violenta do que a que eles estavam experimentando em seus interiores, a qual seria capaz de fragmentar os fundamentos daquilo que eles criam.Essa sim era uma tempestade que precisava ser debelada com total urgência por Jesus, e Ele o fez, claro usando de um expediente, o qual não poderiam entender seus liderados.



2ª. Lição. A tempestade é uma ocasião para a revelação. Andando sobre um encapelado mar,Jesus se identifica aos discípulos como o grande “EU SOU” (vers 50), sim, o mesmo “EU SOU” que se manifetou a Moisés, agora se apresenta aos medrosos e temerosos discípulos.É nas mais intensas e violentas tempestades que podemos ter as revelações mais profundas  acerca da soberania divina. Jó experimentou isso, ele disse: eu te conhecia apenas de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem. Agora quando? O “agora” é uma referência a todo o sofrimento que ele havia passado.Era como se ele dissesse: Depois da tempestade pude Te conhecer, agora sei quem tu ÉS.(leia Jó 42.5).




3ª. Lição. A tempestade é uma ocasião para o exercício da confiança. Quando estamos diante de uma situação que foge ao nosso controle, ou mesmo que esteja além de nossas forças, precisamos exercitar nossa confiança em Jesus. Ele é maior que a tempestade, ela pode ouví-lo, ela pode obedecê-lo,Ele é o Senhor sobre todas as tempestades, Ele é Senhor sobre toda a natureza, não existe fúria que não possa ser contida por Ele. Ao mar revolto Ele diz: Cala-te, e ele se cala! Se assim o é, poque não confiar?(vers 50).



4ª. Lição. A tempestade é uma ocasião para a comunhão com Deus. Em uma situação de tempestade devemos buscar a comunhão mais intensa com o Senhor, só assim conseguiremos atravessá-la sem corrermos o risco do naufrágio espiritual.Quando Cristo entra em nossas vidas através da comunhão(vers 51), as tempestades se não forem debeladas, serão mais facilmente suportadas e vencidas.



5ª. Lição. A tempestade é uma ocasião para a adoração. Em vez de questionamentos, murmurações, na tempestade precisamos aprender a adorar a Deus. Reconhecê-lo como objeto de nosso louvor e devoção mesmo quando estamos experimentando circunstâncias que não queríamos experimentar. A adoração a Deus em uma situação de desfavorecimento e de dor, de fato representa uma atitude de entrega e de reconhecimento  Àquele que sabe e pode tudo. Uma ação assim, é uma ação de um verdadeiro adorador. Adore! adore! Quando houver a paz ou quando nos tentarem tirá-la.Adore! quando temos muito,ou quando não temos nada. Adore! quando há saúde, ou quando ela nos faltar. Simplesmente aprenda a adorá-lo!


  • TEOLOGIA REFORMADA...
  • TEXTOS EDIFICANTES